A Kiwi nasceu da vontade de inspirar as pessoas e transformar vidas. Aqui a gente acredita que a felicidade não é o destino final, mas sim parte do caminho. Se você faz algo por amor e se orgulha disso, significa que você está vivendo da melhor forma possível. Um cara que também acreditava que as coisas funcionam desse jeito, foi o Duke Kahanamoku, um havaiano que conquistou o mundo e germinou a semente do surf pelos quatro cantos do planeta. Nascido de Honolulu, em 1890, o camarada colecionou vitórias e se tornou uma lenda quando o assunto é esportes aquáticos, além de ser considerado o pai do surf moderno. Foi esse cara que colocou todo mundo pra andar na prancha do jeito que a gente anda hoje, colocando paixão e dando a importância mundial que o esporte sempre mereceu.

                  Na época em que ele dominava as praias havaianas, lá por volta de 1912, o Havaí acabava de se tornar um território norte-americano. Existia um oceano de diferenças entre o estilo de vida da galera de lá e o “american way of life”, mas a ligação mais forte, aquilo que aproximava todo mundo mesmo, sempre foi o esporte. As habilidades do nosso amigo impressionaram os estadunidenses, que trataram logo de levar ele pras equipes oficiais que iam competir nas Olimpíadas de Estocolmo daquele ano, onde ele já chegou mostrando o poder que tinha ganhando uma medalha de ouro e outra de prata em nado livre. Mas o que impressionou todo mundo mesmo, foram as técnicas de treinamento dele, domando as violentas ondas do arquipélago polinésio. Esse talvez tenha sido o primeiro grande contato da população mundial com o surf. Durante mais de duas décadas, o Duke continuou ganhando medalhas, títulos e tantos recordes, que não daria pra gente falar todos eles aqui.

                  Na mesma velocidade que conquistava o mundo com seus “poderes”, nosso herói também fazia a correria para colocar a sua terra natal no mapa, se dedicando aos esportes tradicionais de lá e transformando a cultura em um grande e importante símbolo do ocidente. Quando ele se aposentou das competições, começou a fazer filmes em Hollywood e atuando em personagens tradicionais havaianos e em alguns documentários que contavam a sua história. Mas a paixão dele sempre foi e continuou sendo o surf, por isso ele se dedicou a fazer o esporte ser mais reconhecido, criando inovações para prática dele junto com o Tom Blake (que foi outro surfistão e merece um texto à parte), desenvolvendo shapes, aprimorando as pranchas e paddle boards, além de auxiliar na restauração de pranchas ancestrais. Além disso tudo, ele criou também a primeira grife de roupas de surfwear, com típicas estampas havaianas, e continuou lutando para fazer o esporte se tornar uma modalidade oficial olímpica durante o resto da sua vida. Coisa que foi regulamentada em 2016, e que vai acontecer oficialmente nos jogos de Tóquio, em 2020.

A determinação e a vontade de colocar a sua verdade em tudo, pode transformar o mundo. Pode transformar o seu mundo, principalmente. O legado que Duke deixou pra gente foi esse. Ser fiel às nossas origens, correr atrás da nossa verdade e fazer o mundo enxergar beleza nela. Tanto que resolvemos prestar uma homenagem dando o nome para o nosso prêmio de qualificação das unidades franqueadas de Prêmio DUKE! E a gente também se movimenta para levar até você o jeito que o Duke levava a vida com o nosso #KiwiWayOfLiving e todas as experiências envolvidas nele. Quer saber de uma notícia maravilhosa? Acesse esse link e troque os seus pontos de fidelidade por aulas de surf e kitesurf! 🙂