Abrir o próprio negócio é o sonho da maior parte dos brasileiros. Para se ter uma ideia, um estudo realizado pela Endeavor aponta que o Brasil possui a segunda maior taxa de intenção de empreendimento do mundo, ficando apenas atrás da Turquia ― 76% da população deseja abrir uma empresa. Outros rankings internacionais, como o GEM (Global Entrepreneurship Monitor) e o Approved Index, também classificam o país no topo da lista quando o assunto é a criação de novos negócios.

Acontece que, embora sejamos um dos países com mais iniciativa no mundo, o fato é que muitas empresas ainda fecham as portas prematuramente no país. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que aproximadamente metade dos negócios brasileiros estão destinados a encerrar suas atividades antes mesmo de completarem quatro anos de existência. Qual será o motivo para esses preocupantes dados? Pode ter certeza que o erro no plano de negócios é um dos principais.

Em primeiro lugar, é fundamental que o aspirante a empreendedor leve em consideração o seu perfil antes mesmo de começar a tirar suas ideias do papel. Isso porque muitos desconsideram que o modelo de franquias pode ser justamente o que procuram, por exemplo. Investir em franquia pode ser uma alternativa aos negócios tradicionais, uma vez que a segurança adquirida pela rede franqueadora pode ajudar o novo gestor, principalmente se ainda é inexperiente.

Para se ter uma ideia, no ano passado, o setor de franquias cresceu 5,4%, de acordo com a ABF (Associação Brasileira de Franchising), na contramão da crise econômica que causou a retração em uma série de outros setores. Claro que, apesar da segurança desse modelo de negócios, nem sempre essa é a melhor opção: tudo vai depender do que você planeja, das suas ambições e, principalmente, do seu perfil como empreendedor. Ficar atento a isso é fundamental para o sucesso.

Sabendo da importância deste assunto, resolvemos trazer, no post de hoje, um guia completo para que você descubra o que é melhor para você, se investir em franquia ou negócio próprio. Confira tudo o que precisa saber sobre o assunto logo a seguir!

1. Conheça o seu perfil

Como vimos na nossa introdução, o perfil do empreendedor é o primeiro passo a ser avaliado quando ele resolve apostar no mercado das franquias. Afinal, ao contrário do que muitos pensam, abrir o próprio negócio é um processo bastante diferente de quando resolvemos investir em franquia. As diferenças entre as necessidades e as características de cada modelo que vão definir o melhor caminho a seguir.

Afinal, você é conservador ou está disposto a correr mais riscos para ver a sua ideia sair do papel? Possui experiência ou é a primeira vez que vai abrir um negócio? Essas e outras questões precisam ser avaliadas antes de você embarcar no mundo do empreendedorismo.

Basicamente, vamos analisar neste primeiro tópico os dois possíveis perfis de empreendedor, ou seja, aqueles que procuram o mercado das franquias ou os que almejam se aventurar abrindo um negócio por conta própria. Vamos conferir cada um deles?

1.1. Perfil do franqueado

Vamos, em um primeiro momento, avaliar o perfil daqueles que buscam o caminho das franquias. Essa é, sem dúvidas, uma alternativa viável para quem pretende conquistar a independência financeira e sair do velho emprego ― se livrando, finalmente, do patrão. Mas, afinal, quem tem o perfil necessário para embarcar nesse modelo de negócio? A resposta é simples: qualquer pessoa, basta que tenha a iniciativa empreendedora, disciplina e saiba seguir regras.

Ao contrário da forma tradicional de se fazer negócios, o franchising é um modelo mais democrático. Isso acontece porque a própria franqueadora passa para o franqueado todo o seu know how, facilitando muito o ingresso de novos empreendedores no mercado, principalmente aqueles que nunca tiverem a oportunidade de abrir a própria empresa. Ou seja, tanto empreendedores experientes, quanto os inexperientes, podem apostar no modelo.

Além disso, as franquias de qualidade já passam uma previsão de todas as receitas e despesas que o gestor vai encarar ao longo do processo, e isso garante ainda mais segurança para o franqueado. Assim, pode-se antecipar todas as suas necessidades e definir planos de ação mais precisos. Com isso é possível diminuir os riscos, mais um fator que democratiza o acesso de qualquer tipo de pessoa para esse “universo”.

Claro que, apesar de mais seguro e acessível, nem sempre o modelo de franquias vai corresponder às suas expectativas. Em alguns casos, o aspirante a empreendedor está disposto a correr mais riscos. Nesse caso, abrir o próprio negócio é a melhor alternativa para tirar a ideia do papel. A seguir, vamos nos aprofundar um pouco mais sobre esse tipo de empreendedor.

1.2. Perfil para negócio próprio

Desejar correr riscos pode parecer insanidade, certo? Não necessariamente. Muitas vezes, essa é a única opção para o empreendedor. Vamos explicar.

Quando possui uma visão diferenciada do mercado, o empreendedor deve apostar em criar um negócio próprio. Isso ocorre quando pensa em uma ideia que possa inovar a área onde atua ou, simplesmente, por querer adotar um modelo que ainda não é reproduzido pelas empresas que optam por trabalhar no franchising.

Em alguns casos, o gestor precisa confiar na sua ideia e aceitar os riscos, que fazem parte do mundo dos negócios. Se você possui um perfil de quem gosta de arriscar na sua ideia ― e, principalmente, se possui os recursos para isso ― então abrir o negócio próprio pode ser uma solução muito mais vantajosa do que as franquias.

Além disso, existem empreendedores que querem um controle muito maior sobre a forma como vão atuar. Como já mencionamos, normalmente as franqueadoras passam todo o seu know how para o empreendedor, que deve ser reproduzido para que o padrão de qualidade da marca seja mantido, não importando quem esteja no comando. O padrão é mais seguro, mas nem sempre é isso que se busca.

2. Como começar

O desejo de abrir o próprio negócio é grande, mas é importante não agir por impulso. Antes de começar a sua empresa, você deve fazer uma boa avaliação do mercado para diminuir os riscos e, principalmente, descobrir se realmente possui o perfil de franquias ou se a melhor saída é abrir o seu próprio negócio. Essa decisão deve ser pensada nos mínimos detalhes.

Essa etapa é a que chamamos de plano de negócios. Existem algumas ações que você pode realizar para aumentar as chances de fazer a escolha certa. Além de diminuir os riscos, você também evita entrar em uma situação que não desejou ― e arrependimento, no mundo dos negócios, certamente é a fórmula certa para engrossar as estatísticas do IBGE que mencionamos na introdução.

Vamos conferir algumas dicas para você começar com o pé direito.

2.1. Entenda o seu perfil

Comece pelo começo, certo? Em primeiro lugar, é fundamental que você faça uma autoavaliação para descobrir que tipo de empreendedor será. Terá a maturidade para lidar com todos os problemas da sua empresa sozinho? Ou, quem sabe, contar com o suporte de uma franquia pode ser a melhor opção? Esse é o primeiro passo para que você tome a melhor decisão.

Além disso, ao conhecer o seu perfil, fica mais fácil direcionar quais serão os estudos que realizará. No caso de empresas novas, são muito mais complexos, já nas franquias, você deve focar principalmente a avaliação da Circular de Oferta de Franquia, conforme veremos logo adiante. Esse direcionamento é essencial para manter o seu foco.

2.2. Faça a análise SWOT

A análise SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities and Threats) é uma das ferramentas mais importantes do plano de negócios. Com ela, podemos avaliar o ambiente interno e externo da organização. SWOT, em português, pode ser traduzido como FOFA (Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças).

Sim, devemos ficar de olho no ambiente externo, ou seja, as oportunidades, que pode ser um nicho de mercado ainda não atendido pelo mercado; as ameaças, como a possibilidade desse público não se sentir atendido pelo seu produto; além do ambiente interno, que são as forças, como o know how sobre determinado assunto; e as fraquezas, que pode ser a falta de capital, por exemplo.

2.3. Valide a sua ideia

A validação da ideia também ocorre no plano de negócio, logo após a análise SWOT. Nesse momento, depois de uma ampla pesquisa de mercado e de conhecermos bem as nossas limitações e forças, devemos verificar se a ideia original pode realmente sair do papel ou se ela deve ficar guardada.

A validação da ideia é fundamental para diminuirmos os riscos do empreendimento, que é comum. Caso, após a avaliação, você julgue que os riscos sejam muito altos, então o mais provável é que o mercado das franquias seja o que você está procurando.

É importante destacar, no entanto, que essa é uma etapa mais necessária para quem deseja começar o negócio próprio, afinal, as franquias já foram testadas e aprovadas pelo mercado, daí o sucesso. Ou seja, você pula a etapa da validação de ideia e parte logo para a ação.

2.4. Avalie a Circular de Oferta de Franquia

No caso das franquias, em vez de se preocupar em validar a ideia, o novo empreendedor deve ficar atento à Circular de Oferta de Franquia (COF). Esse é um ponto que você deve avaliar sempre que resolver optar por esse mercado. Esse documento deve ser avaliado para que você tome a melhor decisão possível antes de fechar com alguma franqueadora.

Caso julgue necessário, peça a ajuda de algum especialista para avaliar a COF, que possui uma série de informações relevantes a respeito dos direitos e deveres do franqueado, além de outras relacionadas ao operacional e ao financeiro da empresa. Ou seja, com ele, você tem uma base sobre o que esperar desse seu novo empreendimento.

3. Vantagens do negócio próprio

É claro que abrir um negócio próprio tem as suas vantagens. Muitas grandes empresas começaram assim e, se a sua ideia é realmente boa, o próximo negócio a abrir franquias por aí pode ser o seu. O caminho, evidentemente, é muito mais difícil, afinal, normalmente o empreendedor está sozinho, sem nenhum suporte para administrar o negócio.

Para que você tome a melhor decisão antes de embarcar na aventura de abrir a própria empresa no país, resolvemos trazer, a seguir, algumas das principais vantagens que você vai encontrar ao optar por abrir um negócio por conta própria. Se elas chamarem a sua atenção, talvez esse seja o caminho, certo? Acompanhe conosco.

3.1. Liberdade criativa

Essa certamente é a maior vantagem de começar um negócio por conta própria. Em uma franquia, precisamos abraçar um modelo, ou seja, adotar um padrão de qualidade para que o negócio possa prosperar. Em alguns casos, até mesmo as promoções, descontos e demais atividades de marketing são controladas pela empresa franqueadora.

Quando abre o próprio negócio, o gestor terá controle de tudo: definirá processos internos como quiser, escolherá as melhores abordagens em marketing, desenvolverá a própria forma de prestar o serviço ou vender o produto, entre muitas outras coisas. Em resumo: ele poderá adotar práticas totalmente diferentes daquelas adotadas pelo mercado.

Essa é uma grande vantagem, uma vez que o diferencial de um negócio é o que pode fazê-lo crescer no longo prazo. Quando o gestor sabe o que está fazendo e confia na sua ideia, esse é um caminho ainda mais indicado, pois ele pode estar começando algo novo, aquele tipo de empresa que realmente define novos rumos para todos.

Importante lembrar, no entanto, que com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades. A liberdade criativa significa que o risco de um negócio próprio é maior, afinal, a marca pode não ser aceita no mercado ou o novo modelo pode simplesmente não se mostrar tão efetivo quanto parecia no papel.

3.2. Menor valor de investimento

Quando você contrata uma franquia, está adquirindo não só o peso da marca, como também todo um modelo de negócios que já está dando certo, ou seja, um know how de anos, na maioria dos casos. Evidentemente isso possui um preço, atribuído ao franqueado no momento em que ele fecha a parceria com a franqueadora.

Isso não acontece quando abrimos o próprio negócio. Tirando os custos com a burocracia de abertura e aqueles relacionados ao marketing de inauguração e a compra das ferramentas necessárias para começar a operar, o empreendedor não terá nenhum custo extra. Poderá fazer todas as suas compras sob medida, de acordo com as suas necessidades.

Essa administração e flexibilização dos custos iniciais é um atrativo muito grande para quem busca sair do emprego e começar o próprio negócio, mas, apesar de ser uma alternativa mais barata, nem sempre é a melhor, como já vimos. Isso porque, em alguns casos, o barato pode sair caro. 

A nova empresa também precisa investir em marketing e isso significa que, apesar de os custos de abertura serem menores, no longo prazo o investimento precisa ser feito e isso eleva a despesa. Além disso, temos que considerar ainda questões como fornecedores, que, se mal escolhidos, podem só causar prejuízos, mas comprometer a satisfação dos clientes.

Quem opta por uma franquia, apesar de pagar mais inicialmente, pula todas essas etapas e evita desperdícios.

4. Vantagens da franquia

Sim, abrir o próprio negócio tem as suas vantagens, mas apostar no modelo do franchising também pode ser uma excelente alternativa para quem pretende conquistar a independência financeira. Esse é um modelo que está sendo cada vez mais adotado no Brasil, algo que acontece por conta do sucesso constante desse tipo de iniciativa.

Desta vez, vamos abordar cada uma das vantagens de se investir em uma franquia para você conquistar a sua independência financeira de uma vez por todas. Confira a seguir!

4.1 Flexibilidade

Alguns candidatos a empreendedor ainda acreditam que, ao optarem pelo modelo de franquias, terão de trabalhar apenas pelo dinheiro, e não pela afinidade com as tarefas diárias. Isso já não é mais verdade. Hoje, o mercado de franquias é muito diversificado. Da gastronomia à educação, o empreendedor pode encontrar o tipo de empresa certa, que tenha compatibilidade com o seu perfil e as suas preferências pessoais.

Basta que o empresário faça uma boa pesquisa de mercado e avalie a COF, já mencionada por nós anteriormente, para tomar uma decisão precisa, que realmente atenda às suas expectativas. Assim, poderá trabalhar exatamente no ramo de negócios que sempre desejou, e o melhor de tudo é que terá a ajuda de especialistas no assunto durante a jornada, podendo conhecer ainda mais o mercado de interesse.

4.2. Risco reduzido

Lembra dos dados estatísticos do IBGE que apontam que metade dos negócios do país fecham as portas em apenas quatro anos? Pois é. A realidade das franquias é bem diferente.

Um estudo realizado pela Rizzo Franchise, por exemplo, mostrou que a taxa de mortalidade das franquias é bem menor do que empresas próprias. Para se ter uma ideia, no primeiro ano de existência, apenas 3% das franquias costumam fechar as portas ― isso em tempo de crise. O fenômeno ocorre por uma série de motivos, mas vamos falar sobre os dois principais.

Em primeiro lugar, o empreendedor do ramo de franquias pode contar com o conhecimento de mercado da empresa franqueadora, que, além de oferecer todo o suporte necessário para garantir o desempenho dos seus franqueados, também estabelece processos que já foram testados por anos nas empresas da marca, ou seja, já existe uma fórmula bem-sucedida.

Outro fator que impulsiona ainda mais a franquia e diminui a sua chance de fracasso é o conhecimento da marca por parte do consumidor. Esse ponto é tão importante que resolvemos falar um pouco mais sobre ele a seguir, então continue acompanhando.

4.3 Conhecimento da marca

Quando escolhe uma boa franquia, o franqueado também está optando por uma marca que já é reconhecida pelo público, portanto, consegue um bom volume de vendas nas fases iniciais do negócio. Essa oportunidade o empreendedor de negócio próprio não tem, afinal, precisará investir pesado no marketing de inauguração para conseguir captar os primeiros clientes ― uma das tarefas mais difíceis a serem realizadas.

É importante lembrar que fidelizar o cliente não é uma tarefa fácil. São necessários anos de investimento em marketing, além de treinar bem as equipes para garantir um bom atendimento e ter um produto ou um serviço excelente, já reconhecido no mercado. Com as franquias você tem a oportunidade de pular todas essas etapas.

4.4. Menor custo de produto

Economia compartilhada é a nova moda, mas o fato é que os franqueados já fazem isso há muito tempo. Sim, quando pensamos em franquia, lembramos logo da enorme rede de lojas que oferecem o mesmo tipo de produto e precisam da mesma matéria-prima.

Evidentemente, todas as empresas fazem as compras com o mesmo fornecedor, o que garante um poder de barganha muito maior. O resultado é a redução de preços, é claro. Ao reduzir o custo de produto, o empresário está ganhando em competitividade, afinal, o preço é um dos principais atrativos aos olhos da clientela.

Além disso, a redução dos custos relacionados às atividades operacionais diminui a necessidade dos giros de capital, então, o empreendedor pode destinar seus recursos para outras atividades de investimento e perceber um retorno muito maior em relação ao empreendimento realizado.

Para começar a empreender, é fundamental que o gestor saiba bem em qual terreno está pisando. Então, não importa se o modelo escolhido é franquia ou o negócio próprio. Se, de um lado, temos a segurança do franchising, de outro temos o ímpeto empreendedor que nos leva a criar novidades nesse mercado em constante transformação. Em outras palavras, você deve avaliar bem o que pretende antes de tomar a sua decisão.

O mercado das franquias certamente é uma excelente opção se você não possui uma ideia inovadora para o mercado e deseja apenas a independência financeira, ou seja, se livrar do chefe. É muito importante avaliar os rendimentos da franquia escolhida para saber se o investimento feito realmente será vantajoso. Para isso, você deve avaliar atentamente a COF, conforme já vimos ao longo do nosso material de hoje.

Já os negócios próprios são o terreno certo para plantar sementes diferentes daquelas que já são semeadas no mercado. A ideia precisa ser realmente inovadora ou, ao menos, possuir um bom valor de mercado. Além disso, é fundamental que o gestor realize um bom plano de negócios para diminuir consideravelmente os seus riscos, muitos deles naturais nesses casos.

Esperamos que o nosso post de hoje tenha ajudado você, aspirante a empreendedor, a encontrar o estímulo e os insights que precisava para tomar a iniciativa de abrir a sua empresa. Se tiver decidido investir em franquia ou tenha alguma dúvida, acesse agora mesmo o nosso site. Fomos eleitos como a melhor franquia de sucos em 2015, de acordo com a Revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios.

E então, já identificou seu perfil? O que achou do nosso conteúdo? Curta nossa página no Facebook e tenha acesso a muito mais!